samedi 17 décembre 2011

Chanson - Mon Ange - Nolwenn Leroy

Je partage avec vous une des chansons du CD 2012!





J'ai la gorge nouée
Une porte à pousser
Tu ne dois rien savoir
De mon émoi

C'est un jour de soleil
Mais tout est triste en moi
Et je me suis juré
D'être forte pour toi

Et pourtant 
Je crois, vraiment

Refrain 
Car, je sais que tu vas
Nous quitter mon ange
La clarté étrange de ton sourire
Illumine mon été
Je sais que tu vas nous
Q uitter mon ange
Mais comment oser te toucher
J'ai si peur de voir
Mes mains trembler

Je m'asseois sur ton lit
Dans toutes ces vagues de plis
Où tu pourrais te noyer
Pour une éternité

Je vais dire des bêtises,
T e raconter mon château,
Parler devient ma hantise,
Et s'il me manquait des mots?

Pourtant je crois, vraiment
Qu'il faudrait si peu de choses
Pour que je craque et
Que je me montre 
V ulnérable enfin 

Refrain

Et si j'étais trop lâche
Pour voir la vérité 
Et l'accepter avec courage
Comme toi tu le fais

Car, je sais que tu vas
Nous quitter mon ange
La clarté étrange de ton sourire
Illumine mon été

Je sais que tu vas tout
Q uitter mon ange
Et si loin de moi t'envoler...

Refrain 
Je le sais que tu vas
Nous quitter mon ange
La clarté étrange de ton sourire
Illumine mon été
Je sais que tu vas nous
Q uitter mon ange
Mais comment oser te toucher
J'ai si peur de voir
Mes mains... trembler

vendredi 25 novembre 2011

Rappeler ou souvenir




Bonjour à tous! Ça fait longtemps que je ne partage pas quelque chose avec vous ! Désolée 

C'est vrai qu'avec Parlez-vous français sur Facebook c'est plus pratique de partager les infos...

Aujourd'hui je vous propose de travailler la différence entre Rappeler et souvenir:



dimanche 16 octobre 2011

LOGO GAGNANT!


Un grand merci à tous ceux qui ont voté ! Le logo gagnant est celui du Petit Prince avec son écharpe ! Ah je vous assure le Petit Prince n'est pas triste du tout, il pense à la conjugaison des verbes c'est tout! Voilà !


dimanche 2 octobre 2011

Parlez-vous français sur FACEBOOK!

Bonjour à tous!

Nous sommes maintenant sur FACEBOOK! Très chic et plus pratique aussi! Alors si vous êtes abonnés à FACEBOOK vous pouvez nous rejoindre, il suffit de cliquer sur "Curtir" ou "J'aime" à la page de PARLEZ-VOUS FRANÇAIS!


Merci!


jeudi 15 septembre 2011

ENQUÊTE LOGO!

Bonjour à tous!
Aidez-moi à choisir mon logo! Un grand merci à ma cousine Allana, qui est designer, qui les a faits pour moi!
C'est l'image que je mettrai sur les CDS de Musique française, les souvenirs de Pâques et Noël, les autocollants, etc...Marketing oblige! 
Participez à l'enquête!
Je vous en remercie!

Option 1 - Petit Prince sur sa planète:



Option 2 - Petit Prince avec son écharpe:



lundi 12 septembre 2011

Expressions avec COUP!


Bonjour à tous!

La langue française est remplie d’expressions. Certaines sont utilisées chaque jour, d’autres plus rarement.

Aujourd'hui on va découvrir les expressions avec le mot COUP.

En général on utilise COUP avec les parties du corps:

Coup de main, coup de pied, coup d'oeil, coup de poing...

Mais, qu'est-ce que c'est COUP?

Plein d'expressions avec COUP, ici.
 
Merci à mes très chers Michèle et Jean qui m'ont aidée à faire la liste:

  • Coup de Trafalgar: Dans un contexte calme, brusque détérioration.
  • Coup de bambou / coup de barre: Fatigue brusque
  • Coup de foudre: Amour soudain.
  • Coup de chance: Hasard heureux
  • Coup de feu: dans un restaurant le moment où tous les clients arrivent.
  • Coup de théâtre: événement imprévu
  • Coup de sang: accès de colère.
  • Coup de soleil: brûlure

Et encore....

N’hésitez pas à en rajouter !


mercredi 31 août 2011

Chansons religieuses en français

Bonjour à tous!

Ma chère élève Camilla m'a demandé de lui présenter des chansons religieuses en français alors je partage avec vous aussi quelques unes de mes préférées.


Couronnée d'étoiles, très belle chanson! Qui a ému la princesse Charlene:


Voici le corps et le sang du Seigneur:



Le Chant-thème JMJ  (Journées Mondiales de la Jeunesse) en 2002 à Toronto (en français et anglais):



Et Plus près de Toi mon Dieu:

samedi 27 août 2011

Retrospectiva Sandrine Bonnaire

A retrospectiva Sandrine Bonnaire, faz parte da programação de cinema da Embaixada da França de 2011, dedicada ao cinema francês contemporâneo.

A Retrospectiva começa na segunda-feira 29 de agosto e termina na terça-feira seguinte, 6 de setembro de 2011, e terá lugar na Sala Le Corbusier da Embaixada da França, com sessões sempre às 19h. Os filmes são todos legendados e com entrada franca.

Aproveitem!

jeudi 25 août 2011

Cuisine Italienne à Paris

Bonjour à tous!

Après longtemps, je partage avec vous aujourd'hui ce superbe restaurant à Paris que ma chère amie Aurore m'a fait découvrir.

Da Zavola  est en même temps Traiteur boutique, Epicerie Fine, Cave et Bar à vins. (3 différentes adresses)

À ne pas manquer: la trilogie de mozzarelle artisanales dont la burrata, une mozzarella fondante qui nous arrive des Pouilles:


La stracciatella, une mozza plus crémeuse:

Hummm! Bon appétit! ou comme dit Aurore: Bon ap!

vendredi 12 août 2011

Cinema Francês Contemporâneo



Qu'un seul tienne et les autres suivront
(França, 2009)


De Léa Fehner. Com Farida Rahouadj, Julien Lucas, Marc Barbe, Pauline Etienne, Reda Kateb, Vincent Rottiers.

Drama em Cores. Duração 116’. Classificação etária 14 anos.

O filme será apresentado pelo cineasta, professor de cinema e diretor Sérgio Moriconi.

Na sala de visitas de uma prisão francesa, a vida de um grupo de homens e mulheres se conecta por acaso através de destinos comuns. A mãe de um assassinado argelino, o sósia de um criminoso muito perigoso, a namorada de um jovem rebelde, um médico que finge cinismo e a irmã de um assassino têm uma hora para fazer as pazes com a vida. Cada um terá de assumir o próprio destino. Se um só conseguir ficar em pé, os outros também ficarão...



* Prêmio Louis Delluc do primeiro filme * Les Lumières 2010 - Melhor Espoir Féminin * Indicado ao César 2010 - Melhor primeiro filme e melhor Revelação Feminina

Quarta 17 de Agosto de 2011


Sessão às 19h - Entrada livre

Legendas em Português

Espaço Le Corbusier - Cinemaison Brasília

Embaixada da França no Brasil

S.E.S Av. das Nações, Quadra 801 - Lote 04

mardi 2 août 2011

Chèvre!

Bravo au fromage de chèvre! Il a reçu le plus de votes à l'enquête! Ici toutes les infos! Ici les recettes!




Un fromage de chèvre est un fromage ne contenant que du lait de chèvre, qui ne peut pas être mélangé avec le lait d’un autre animal, même en plus faible quantité, comme du lait de vache ou de brebis (feta).

Dans les régions où l’on élève des chèvres, de nombreuses sortes de fromage de chèvre sont produits : frais ou affinés, secs ou enrobés de cendres, de raisins, d'herbes aromatiques diverses, d'épices (poivre, safran...), de miel, marinés dans de l'huile d'olive. Mais le terroir est aussi essentiel : Poitou, Cévennes, Charolais, Corse, Périgord, Provence, Savoie, Touraine.

Les fromages de chèvre peuvent se déguster frais ou affinés plus ou moins longtemps. Frais on peut les utiliser dans les salades ou chauds sur une tartine, d'autres les apprécient bien faits, accompagnés de confitures : cerise noire, figue, orange. Très affinés les fromages peuvent devenir secs et très durs se défaisant en strates comme des ardoises.


 Voilà le chèvre chaud de Nelson et Chloé!

Au niveau vin, il est très déconseillé d'accompagner les fromages de chèvre d'un vin rouge, à l'exception des vins cuits ou porto. Les vins blancs sont les plus conseillés comme les vins moelleux ou les bourgognes aligotés et les sauvignons de Touraine.

Bon appétit!!


mercredi 22 juin 2011

Vacances!

Bonjour à tous!

Ce blog prendra des vacances, tout comme moi!

Mais continuez à lire les journaux, écouter les radios, etc.

Bon courage!

À bientôt!

Sylvie

lundi 13 juin 2011

Festival Varilux de Cinema Francês

Realizado em junho de 2010 em 9 capitais do Brasil, o Festival Varilux de Cinema Francês seduziu mais de 25.000 espectadores e teve uma cobertura de imprensa de projeção nacional.

Após tamanho sucesso, o Festival foi solicitado por salas de cinema de todo país, portanto, a edição 2011 acontecerá em 30 cinemas de 22 cidades, distribuídas em 17 estados brasileiros, tornando a iniciativa inédita por ser o primeiro festival de cinema com tamanha abrangência no Brasil.

O evento será simultâneo de 08 a 16 de junho no Rio de Janeiro, São Paulo, Belém, Brasília, Campos, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, João Pessoa, Juiz de Fora, Macaé, Maceió, Natal, Porto Alegre, São Luís, Santos, Salvador, Recife e Vitória. Em Fortaleza, o festival acontece no período de 16 a 23, e em Belo Horizonte, entre 24 e 30 de junho.

A Retrospectiva de filmes da atriz francesa Sandrine Bonnaire, iniciativa do Institut Français e da Embaixada da França no Brasil, acontece dentro do festival, entre 8 e 16 de junho, nas cidades do Rio e de São Paulo e, em seguida, parte em itinerância para mais seis cidades brasileiras.

Confira a programação completa e participe desse grande evento da recente cinematografia francesa!

jeudi 9 juin 2011

Petitrenaud!

Je partage avec vous l'une des passions de ma vie!

Jean-Luc Petitrenaud est un critique gastronomique, animateur de radio et de télévision français qui présente de nombreuses émissions gastronomiques et culinaires.




Le programme est parfait: gastronomie, culture régionale, sympathie.... Il sillonne la France à la découverte des régions et de leurs spécialités culinaires. Il se balade dans une ville ou une région pour célébrer la convivialité, la tradition et l'authenticité. 

Vous pouvez le suivre sur TV5 Monde comme a fait mon élève Juliana et maintenant elle aussi est passionnée! Tous les lundis à 18h30!
 
 


Profitez-en!!

Vive PETITRENAUD!

mercredi 1 juin 2011

A tarefa de ensinar a norma culta

Intéressant! Bonne lecture!

Folha Dirigida, 31/05/2011 - Rio de Janeiro RJ

A tarefa de ensinar a norma culta

Alessandra Bizoni

E a polêmica em torno do livro "Por uma vida melhor", da Coleção Viver, Aprender, está longe de chegar ao fim. Titular da cadeira 33 da ABL (Academia Brasileira de Letras), o professor e gramático Evanildo Cavalcante Bechara reconhece alguns méritos na obra, mas critica a postura adotada pelos autores do livro. Autor da "Moderna Gramática Portuguesa", uma das mais utilizadas em nosso país, Bechara é taxativo ao afirmar que o "linguista assumiu o lugar do professor de língua portuguesa" ao defender a utilização da linguagem popular no livro didático. Na semana passada, na edição de nº 1.953, a FOLHA DIRIGIDA publicou uma entrevista com Marcos Bagno, docente da Universidade de Brasília (UnB), que saiu em defesa dos autores do livro "Por uma vida melhor". Dentre as críticas que fez, Marcos Bagno, ao comentar a nota oficial da ABL condenando o livro didático, disse: "Não concordo com nada que venha da Academia Brasileira de Letras (ABL) porque, na minha opinião, essa entidade simplesmente nem deveria existir. Ela não serve para absolutamente nada, não tem nenhum impacto em nossa vida social e cultural e só serve para gastar dinheiro público. Esses 40 senhores e senhoras não têm nada a dizer sobre ensino porque não atuam na área. A única exceção é o professor Evanildo Bechara, gramático respeitável, mas que, infelizmente, é francamente reacionário quando a questão é ensino de língua."



A questão do financiamento público já foi explicada pelo acadêmico Murilo Melo Filho, segundo secretário da ABL, na edição de nº 1.954 da FOLHA DIRIGIDA, que fica nas bancas até esta quarta, dia 1º de junho. Segundo Murilo Melo Filho, a ABL não recebe quaisquer recursos públicos e obtém seu financiamento a partir do aluguel do prédio de 33 andares, que fica ao lado da sede histórica da instituição, em um quarteirão valorizado no Centro do Rio de Janeiro. Mantendo sua postura democrática e o interesse em esclarecer nossos leitores em torno da polêmica criada do livro didático, a FOLHA DIRIGIDA abriu seu espaço ao conhecido gramático, que dá, aos leitores, uma verdadeira aula de ensino de língua portuguesa. Indo além da análise feita pelos principais órgãos de imprensa, Bechara condena a escolha do texto de interpretação, presente no capítulo da obra disponível na internet.


"O texto apresentado, no mesmo capítulo, como texto de língua escrita para interpretação ‘Migna terra’, de Juó Bananére*, é escrito em um dialeto ítalo-português oral do início do século passado. O texto tem expressões como ‘Migna terra tê parmeras,/Che ganta inzima o sabiá’. Nós não damos para um aluno que está aprendendo a ler um texto de Guimarães Rosa, porque ninguém fala como Guimarães Rosa escreve. E língua portuguesa de Guimarães Rosa é uma estilização, como Juó Bananére faz uma estilização do italiano. E, nesse momento, percebemos que entrou o linguista no lugar do professor de Português", afirmou o educador.



Membro correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, doutor honoris causa pela Universidade de Coimbra, professor titular e emérito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e da Universidade Federal Fluminense (UFF), além de titular da cadeira nº 16 da Academia Brasileira de Filologia (ABF), Evanildo Bechara, aos 83 anos, ainda leciona no curso de pós-graduação de Ensino de Língua Portuguesa oferecido gratuitamente no Liceu Literário Português. Defensor da língua portuguesa, ele argumenta, nesta entrevista, que o linguista não pode ocupar o lugar do professor de língua portuguesa na educação básica.


 
Em entrevista publicada recentemente na FOLHA DIRIGIDA, o professor Marcos Bagno, da UnB, o classificou como "gramático respeitável, mas francamente reacionário quando a questão é ensino de língua". Como o senhor rebate estas críticas?

Evanildo Bechara - Os filósofos gregos foram os iniciadores dos estudos de língua, geralmente, com preocupações filosóficas. Eles queriam saber, por exemplo, se a língua funcionava por criação ou por analogia. A linha do Marcos Bagno é a da sociolinguística, que estuda a participação do homem na vida da linguagem. Mas a participação do homem em todas as suas manifestações culturais é coisa de sempre. Os autores latinos traziam para a sua obra fatos da língua coloquial, da língua popular. Há autores como Petronio, que escreveu Satíricon. Existem os epigramas de Marcial. Cícero em uma carta familiar para um amigo escreveu: "você deve estar observando que eu não estou usando, aqui, o Latim que uso em meus discursos no Senado. Aqui estou usando uma linguagem mais coloquial ...". O professor Marcos Bagno pensa que tudo isso começou no quintal da casa dele. Na realidade, essa questão é antiga. O primeiro gramático da língua portuguesa, que foi Fernando de Oliveira, em 1536, já dizia que a língua varia com o tempo, com as regiões, de acordo com a idade das pessoas, com as profissões. De modo que essa preocupação da presença da língua popular e coloquial não começou com o livro dele, em 1999. Tenho um livro publicado na década de 80, já com 12 edições e várias reimpressões, sobre a questão da pertinência do ensino de gramática, que na época já estava sendo ventilada. Publiquei, pela Ática, o livro "Ensino de gramática. Opressão? Liberdade?" (1985).



E é possível ensinar uma língua sem ensinar a sua gramática?

O problema é como ensinar a gramática. É claro que a Abralin, que é a Associação Brasileira de Linguística, tem que aplaudir a posição de Marcos Bagno, um linguista. Mas a ABL, que tem por princípio estatutário o cultivo da língua, não pode aplaudir o que os linguistas aplaudem. Alguém está errado aí? Não. Cada um está certo no seu campo. O erro está em um linguista condenar a ABL ou a ABL condenar um linguista. A ABL disse apenas que o livro, naquele momento, inseriu a Linguística onde deveria estar tratando da língua padrão. Os linguistas não gostam nem dos textos literários, porque consideram que o texto literário é uma artificialização da língua natural e eles querem analisar a língua natural. É como examinar o rosto de uma pessoa produzida, maquiada, penteada, no qual nem sempre se pode perceber alguns defeitos que são revelados quando essa mesma pessoa sai de um banho. A língua literária é a "língua produzida" e a língua popular é o "rosto lavado".



Que avaliação o senhor faz do livro didático "Por uma vida Melhor", da Coleção Viver, Aprender, no qual formas usuais da linguagem popular como "os menino pega o peixe" são apontadas como alternativas de uso da língua portuguesa? O senhor chegou a ler o livro?

Ao analisar o livro "Por um vida melhor", da Coleção Viver, Aprender não tive acesso a ele por completo. Entrei em contato com a editora, mas não consegui um exemplar do livro. Encontrei, apenas, pela internet, o primeiro capítulo, feito pela professora Heloísa Ramos. E esse é um capítulo muito bom. Seu único defeito, e a nota da ABL explicita esse aspecto, o único momento infeliz foi quando a autora colocou em discussão o problema da língua popular.



Como o senhor classifica a língua popular?

A língua popular é aquela utilizada pelas pessoas de pouca cultura, que não tiveram a oportunidade de frequentar escolas, que são vítimas dessa dificuldade de não terem uma cultura sistematizada. Mas são pessoas que vivem, crescem, se casam, têm emprego, educam seus filhos. Uma língua (Português, Inglês, Francês), na realidade, é uma abstração. A língua é aquela parte falada em cada região, em cada situação discursiva, em cada momento. O que é a língua portuguesa? É a língua que estamos falando; a língua que as pessoas cultas falam e escrevem no Brasil; é a língua que se fala em Portugal, é a língua de alguns países africanos. Não temos uma realidade concreta da língua que está polifacetada, em diversas variedades. Cada uma dessas variedades se chama "língua funcional".



O que é a "língua funcional"?

É a língua que funciona para o analfabeto, para o semialfabetizado, para o indivíduo erudito, para o escritor. Uma língua histórica, como o Português, o Francês ou o Espanhol, é um conjunto de línguas funcionais. E dessas línguas funcionais há a eleição de determinados fatos comuns na linguagem daqueles que mais leem, mais têm cultura geral, mais têm cultura de uso de língua e que leem os bons autores... Esta língua se chama a "língua padrão", que antigamente se chamava língua culta. Mas o termo culta tinha um peso pejorativo em relação a quem não a usasse, que, então, adotaria uma língua "inculta". Hoje, nós, os linguistas, gramáticos e filólogos, preferimos o termo "língua padrão".



E com relação ao livro didático "Por uma vida Melhor", da Coleção Viver, Aprender, qual é o seu parecer?

A autora do livro pecou quando diz que, para se aprender uma língua, a língua culta, é preciso que haja um local, um momento e um material próprios. Ora, o livro didático não é nem o local, nem o momento e nem o material próprio para se falar de língua popular. Se o objetivo é a língua padrão, é a língua culta, a professora deve abrir o espaço para falar da língua culta. A presença da língua popular surge quando o professor estiver ensinando algo ou lendo um texto em língua culta e aparecer um problema sobre um uso popular. Até a presença do popular é vista com surpresa pela própria autora do livro, que diz: "Você pode estar se perguntando: ‘Mas eu posso falar ‘os livro?’". E ela responde: "Claro que pode.". Essa frase indica surpresa da autora. Esse é o momento em que desapareceu o professor de língua portuguesa e apareceu o linguista. A própria professora toma a iniciativa de colocar a dúvida no aluno. Ela só pode fazer esse comentário se tiver na sala um aluno que diga "os livro". Mas se o aluno diz "os livros"...



Qual é a diferença entre a postura do professor de língua portuguesa e a do linguista?

O professor de língua portuguesa ensina a norma culta. O aluno vem para escola aprender uma variedade de língua que, teoricamente, não conhece. E o linguista é um técnico, aquele que estuda a língua sem preocupações normativas, que estuda o funcionamento da língua nas classes cultas, nas classes incultas. O linguista estuda como funciona a língua portuguesa em São Paulo, sob o influxo do Italiano; a língua portuguesa no Rio Grande do Sul, sob o influxo do Espanhol; a língua portuguesa no Nordeste, sob o influxo da língua que os portugueses trouxeram no século XVI para o Brasil na época do descobrimento.



Diante da posição adotada pela autora do livro, pode-se dizer que acabou o conceito de "certo" e "errado" em língua portuguesa?

Não é que acabou; é que o "certo" e o "errado" dependem da adequação e da inadequação do momento em que a língua é usada — diz o linguista e diz muito bem, já que uma língua é um conjunto de línguas funcionais. Mas a pessoa vai à escola para ascender socialmente, para aprender e ser alguém na vida. A função da escola é promover um processo de aprendizagem para cima - e não para baixo. É por isso que cito o linguista italiano Raffaele Simone: "A educação popular deixa o aprendiz na mesma condição em que está. E só a boa educação linguística é que o fará ascender socialmente".



Corrigir o "falar errado" é uma manifestação do "preconceito linguístico"?

Essa questão do "preconceito linguístico" foi algo que os sociolinguistas trouxeram à discussão para estabelecer, na sociedade, quem pode mais e quem pode menos. No entanto, esse preconceito não tem mão única. Ele surge tanto da pessoa que fala a norma culta em relação à norma popular, como aquele que fala a norma popular em relação à norma culta. Porque o preconceito resulta da diferença e a diferença não é só do mais para o menos, mas também do menos para o mais. Hoje, de acordo com o "politicamente correto", não se pode dizer o preto ou o negro. Porém, o negro diz do branco: "o branco azedo". Então, o preconceito tem duas mãos.



E como ficam professores e alunos diante dessa polêmica em torno do "preconceito linguístico"?

Hoje não faltam empregos no país. Faltam pessoas qualificadas, preparadas para ocupar as vagas de trabalho. Aprender exige um esforço. Essa história de dizer que a escola deve ser risonha e franca é apenas um convite para o estudo. Mas o estudo exige suor e lágrimas. Todos nós para chegarmos aonde estamos, trabalhamos. Não ficamos apenas em uma fila para ver o Paul McCartney; estudamos e trabalhamos para conseguir o dinheiro para comprar o convite. O estudo requer seriedade. E essa situação de "preconceito linguístico" é tão incômoda quanto o "politicamente correto". Todo mundo está reclamando do "politicamente correto", tudo o que dizemos cai na queixa ou na crítica do "politicamente correto".



Na sua avaliação, qual é a consequência de adoção de métodos como o do livro "Por uma vida melhor" no ensino de língua portuguesa?

Esse tipo de método ocasiona o que chamamos de "mesmice idiomática". O estudante vai para a escola e esta não o enriquece em seu padrão de instrução.



E o senhor teria outras críticas com relação ao polêmico livro didático?

A maioria das pessoas ficou apenas nas duas frases com a concordância errada. O texto apresentado, no mesmo capítulo, como texto de língua escrita para interpretação "Migna terra", de Juó Bananére*, é escrito em um dialeto ítalo-português oral do início do século passado. O texto tem expressões como "Migna terra tê parmeras,/Che ganta inzima o sabiá". Nós não damos para um aluno que está aprendendo a ler um texto de Guimarães Rosa, porque ninguém fala como Guimarães Rosa escreve. E a língua portuguesa de Guimarães Rosa é uma estilização, como Juó Bananére faz uma estilização do italiano. E, nesse momento, percebemos que entrou o linguista no lugar do professor de Português. A autora compara esse texto de Juó Bananére, do qual ela faz excelente elogio, com a "Canção do Exílio", de Gonçalves Dias, ressaltando a "postura ‘patriota’ extremamente sentimental presente no poema de Gonçalves Dias". Acredito que em um livro didático devemos apresentar textos de língua padrão, de língua culta, e não textos em um dialeto regional. Cornélio Pires, por exemplo, é um autor que imita o idioma italiano, mas seu texto é totalmente diferente do dialeto apresentado na obra.



E como o senhor analisa os exercícios presentes no livro?

Em alguns momentos, a autora leva o aluno a construir frases como "encontram-no", "fizeram-no", que são formas muito elevadas para uma criança, um adolescente ou mesmo um adulto que está dando os primeiros passos na língua culta. Ao mesmo tempo, apresenta exercícios com frases como "Comecei a trabalhá em um lugar agradável" e "Passeei bastante antes de percebê que tava perdida", para que o aluno as reescreva de forma correta.



Acredita que o simples fato de formas populares como estas estarem registradas em um livro didático pode confundir os alunos?

Claro. Mesmo porque ortografia, para o grande público, é memória visual. O público escreve a palavra como a vê escrita. No ensino da língua culta não há um estímulo para que os alunos falem assim. Queremos que o aluno aprenda não apenas a escrever, mas a falar a língua culta.



Como analisa a postura do MEC em manter a distribuição da obra, que chegou a quase meio milhão de estudantes, mesmo diante de tantas críticas?

O pobre do ministro Fernando Haddad delega poderes. A culpa menor é do ministro. A culpa maior é das pessoas que o acompanham e não tiveram o bom senso de evitar que Fernando Haddad entrasse nessa enrascada. Esses livros foram selecionados, não pelo ministro Fernando Haddad, mas sim por uma comissão de professores, que têm responsabilidades por isso. Aliás, o professor Marcos Bagno disse uma coisa certa: esse enfoque sociolinguístico começou na gestão do ministro Paulo Renato, do governo do PSDB. Essa questão independe do fato de serem funcionários de Paulo Renato ou de Fernando Haddad. A filosofia dos que escreveram os parâmetros curriculares nacionais (PCNs) é a dos linguistas. Essa filosofia ultrapassa governos; é muito válida no campo de trabalho dos linguistas, mas nem muito válida, para não dizer pouco válida, no ensino de língua portuguesa.



O senhor conhece a proposta de reconhecimento de um "português brasileiro", defendida pelo professor Marcos Bagno? A argumentação do professor da UnB procede? Por quê?

Monteiro Lobato dizia: "Assim como o português nasceu dos erros do Latim, o ‘brasileiro’ nascerá dos erros do português". Ora, é degradante para um país nascer da miséria de outro. Certa vez, no Colégio Pedro II, o professor Hermes Parente Fortes escreveu uma tese para ingresso na instituição defendendo a existência de um "português brasileiro". E o professor Oiticica (José Oiticica), catedrático de língua portuguesa, o examinou. O professor Oiticica disse a Hermes Parente Fortes: "eu vou passar a acreditar nessa tal de ‘língua brasileira’ quando o senhor traduzir para ‘brasileiro’ a oração do Pai Nosso. A característica de uma língua é a sua traduzibilidade. Se mudamos uma palavra por outra, isso não é tradução. O Espanhol é muito parecido com o Português. Mas é possível fazer a tradução tanto do Espanhol para o Português como do Português para o Espanhol. E que "língua brasileira" é essa, que quando se vai a Portugal se entende tudo o que se fala — às vezes ocorrem dificuldades pelo sotaque, mas não pela estrutura da língua. Podemos ler os jornais de Portugal. Não traduzimos Eça de Queiroz, nem José Saramago.



Na sua avaliação, qual é a metodologia mais adequada para o ensino de língua portuguesa?

Comecei a lecionar aos 18 anos e tenho 83 anos de idade. E nunca saí de sala de aula. Hoje, dou aulas no curso de pós-graduação de Ensino de Língua Portuguesa do Liceu Literário Português. O professor Marcos Bagno diz que sou "francamente reacionário" no ensino de língua portuguesa. Mas se fosse reacionário, minha gramática - "Moderna Gramática Portuguesa" - teria pernas curtas. O que eu não sou, dentro de sala de aula, é linguista. Sou professor de língua portuguesa.



A partir desse contato com os professores recém-formados no curso de pós-graduação, qual é a sua impressão a respeito dos cursos de formação de professores?

A formação dos professores é cada vez pior.



O livro do professor Marcos Bagno, por exemplo, é um sucesso nos cursos de Letras e de Pedagogia?

O livro do professor Marcos Bagno faz sucesso porque se trata de um linguista passando a mão na cabeça de professores que não sabem a língua. Então, os professores pensam: "eu não preciso ensinar isso...". Tudo o que os linguistas brasileiros dizem não é produto do seu pensamento linguístico, sua bibliografia é totalmente estrangeira. Tudo o que dizem veio de fora, dos Estados Unidos, da Inglaterra, da Itália, da França. E, curiosamente, essas ideias defendidas aqui não são as defendidas nos países de onde essas teorias vieram. Ao consultarmos as gramáticas francesas, alemãs, inglesas, italianas, espanholas, verificamos o contrário do que os linguistas brasileiros dizem. O que os linguistas brasileiros pregam não representa um viés linguístico, representa um viés ideológico porque, se não fosse assim, isso estaria sendo aplicado em outros países. Isso estaria sendo aplicado na Espanha, por exemplo, onde a Academia de Língua Espanhola acabou de editar a Nova Gramática da Língua Espanhola — dois volumes somando quase quatro mil páginas.



Juó Bananére é o pseudônimo literário de Alexandre Ribeiro Marcondes Machado, que nasceu em Pindamonhangaba (SP) em 1892 e morreu em 1933. Machado passou a infância no interior paulista e em 1917 formou-se engenheiro pela Faculdade Politécnica da Universidade de São Paulo. Empregando uma linguagem toda especial, escrevia sátiras em algumas revistas e parodiava poetas conhecidos, como Olavo Bilac e Camões, além de satirizar políticos da época. Seus poemas foram reunidos no livro La divina increnca, publicado em 1924. (Nota do editor).



mercredi 25 mai 2011

Le Français Québécois


L'accent québecois por exprofesso

Quelques élèves m'ont demandé la différence entre le français québécois et le français parlé en France, voilà!
Personnellement je le trouve assez différent! Alors attention surtout quand vous allez vous préparer à un voyage au Québec! Il vaut mieux choisir un prof québécois! Les différences sont la prononciation nasalisée et le vocabulaire.

Le français québécois ou français du Québec est la variété de la langue française parlée par la majorité des francophones du Canada, principalement par les Québécois. De façon générale, suivant les reliques de l'histoire ou la question identitaire, il est parfois désigné sous son hyperonyme « français canadien ».

L'emploi de régionalismes est fréquent dans les registres familier ou populaire de la langue. Le français est enseigné dans les écoles québécoises avec des acceptations lexicales normales pour les réalités et les concepts propres à sa culture et son monde de référence nord-américain. L'Office québécois de la langue française travaille au développement de la langue française et appuie certaines particularités qui peuvent diverger parfois avec l'usage européen mais sans écarter ces dernières.


Écoutez quelques exemples de mots complètement différents du français de France ici.

Quelques liens:
Histoire du français au Québec .
 
Dictionnaire québécois.


dimanche 1 mai 2011

dimanche 24 avril 2011

Publicité Française - Havaianas



"Lune de Miel" é o novo filme criado para Havaianas. O objetivo dele é mostrar, por meio das Havaianas, como é bom ser brasileiro, pertencer a um país cheio de alegria, cores e energia, otimista, solidário, que une várias culturas e etnias com festa e paz. No novo filme deHavaianas, que se tornaram um dos símbolos brasileiros de maior sucesso lá fora, este orgulho pelo Brasil é temperado com o humor e a irreverência característicos da comunicação da marca.











Un peu stéréoptypé mais sympa!




dimanche 17 avril 2011

Le repas gastronomique des Français - patrimoine culturel immatériel de l’humanité!

Super intéressant! J'adore!

Inscrit en 2010 sur la Liste représentative du patrimoine culturel immatériel de l’humanité de L'Unesco, le repas gastronomique des Français est une pratique sociale coutumière destinée à célébrer les moments les plus importants de la vie des individus et des groupes, tels que naissances, mariages, anniversaires, succès et retrouvailles. Il s’agit d’un repas festif dont les convives pratiquent, pour cette occasion, l’art du « bien manger » et du « bien boire ». Le repas gastronomique met l’accent sur le fait d’être bien ensemble, le plaisir du goût, l’harmonie entre l’être humain et les productions de la nature. Parmi ses composantes importantes figurent : le choix attentif des mets parmi un corpus de recettes qui ne cesse de s’enrichir ; l’achat de bons produits, de préférence locaux, dont les saveurs s’accordent bien ensemble ; le mariage entre mets et vins ; la décoration de la table ; et une gestuelle spécifique pendant la dégustation (humer et goûter ce qui est servi à table). Le repas gastronomique doit respecter un schéma bien arrêté : il commence par un apéritif et se termine par un digestif, avec entre les deux au moins quatre plats, à savoir une entrée, du poisson et/ou de la viande avec des légumes, du fromage et un dessert. Des personnes reconnues comme étant des gastronomes, qui possèdent une connaissance approfondie de la tradition et en préservent la mémoire, veillent à la pratique vivante des rites et contribuent ainsi à leur transmission orale et/ou écrite, aux jeunes générations en particulier. Le repas gastronomique resserre le cercle familial et amical et, plus généralement, renforce les liens sociaux.




samedi 2 avril 2011

Film pour le week-end: LE CONCERT



À l'époque de Brejnev, Andrei Filipov était le plus grand chef d'orchestre de l'Union soviétique et dirigeait le célèbre Orchestre du Bolchoï. Mais après avoir refusé de se séparer de ses musiciens juifs, dont son meilleur ami Sacha, et surtout la soliste Léa, il a été interrompu avant la fin d'un concerto de Tchaikovsky, et licencié au faîte de sa gloire. Trente ans plus tard, il travaille toujours au Bolchoï mais comme homme de ménage. Un soir, alors qu'Andrei est resté très tard pour astiquer le bureau du maître des lieux, il tombe sur un fax adressé à la direction du Bolchoï : il s'agit d'une invitation du Théâtre du Châtelet conviant l'orchestre officiel à venir jouer à Paris suite au désistement de l'orchestre de Los Angeles. Soudain, Andrei a une idée folle : pourquoi ne pas réunir ses anciens amis musiciens, qui vivent aujourd'hui de petits boulots, et les emmener à Paris, en les faisant passer pour le Bolchoï ? Entre autres exigences de ce faux Bolchoï, la participation de la soliste Anne-Marie Jacquet. L'occasion tant attendue d'achever le concerto, et de renouer les fils du passé.


Le film a fait 695 000 entrées dans les salles italiennes, 250 000 entrées dans les salles espagnoles et 250 000 entrées dans les salles allemandes.

Merci à Luciana!

PROFITEZ!


mercredi 30 mars 2011

Curso intensivo de francês com Capitão Nascimento


Superbe!!! J'ai vu cette vidéo sur la page de mon amie Carolina et je la partage avec vous (il y a quelques petites erreurs).

C'est peut-être une bonne méthodologie, je vais y réfléchir!


mercredi 23 mars 2011

Ma vie est tout à fait fascinante!

Pénélope Bagieu est une illustratrice et dessinatrice de bande dessinée française. Elle s'est fait connaître grâce à son blog BD Ma vie est tout à fait fascinante, où elle expose avec humour des instants de sa vie quotidienne.


C'est super sympa!


Et aussi le Blog des Paresseuses.





dimanche 20 mars 2011

AUDIO LINGUA - Autre site pour la Compréhension orale

Audio-Lingua propose des enregistrements mp3 en plusieurs langues.



Audio-Lingua, qu’est-ce ? Une base de données collaborative de fichiers audio authentiques, enregistrés par des locuteurs natifs, libres de droits pour une utilisation pédagogique ou personnelle.

Des fichiers audio ? Courts, d’une durée maximum de deux minutes, sur différents sujets…

Collaboratif ? Cela signifie que toute personne intéressée peut contribuer à faire vivre ce site en proposant des fichiers d’enregistrement personnels via le formulaire.

Authentique ? Parce que seules les interventions de locuteurs natifs (anglais, allemand, espagnol, français, italien, portugais, russe) sont retenues ! Tous les accents sont bienvenus.

Objectif ? Faciliter l’entraînement à la compréhension auditive de tous ceux qui ont envie d’améliorer leurs performances.



PROFITEZ!

mardi 8 mars 2011

SEMANA DA FRANCOFONIA 2011


A Semana da Francophonie é um evento anual cujo objetivo é divulgar as culturas dos diferentes países francófonos por meio de diversas atividades. Ela acontece em Brasília no mês de março, e está celebrando este ano de 2011 sua 14ª edição.



A SEMANA DA FRANCOFONIA acontece em Brasília há mais de uma década. Os países membros e os países associados à OIF celebram juntos a data de 20 de Março, Dia Internacional da Francofonia. A idéia é propor atividades culturais, esportivas e acadêmicas cujo elo comum é a língua francesa (compartilhada hoje por mais de 890 milhões de pessoas no mundo todo) e o apego da OIF e de seus membros a valores universais como a liberdade, a solidariedade, a democracia, os direitos individuais e a diversidade cultural.

Em 2011, a SEMANA DA FRANCOFONIA tem como tema A voz da diversidade.

Aqui está a programação.

Profitez!

mardi 1 mars 2011

Pratiquer la compréhension orale

Bonjour à tous!

Les élèves ont vraiment besoin de s'habituer à entendre le français hors de leurs cours. Une façon intéressante d'avoir le contact avec le langage oral est de, comme l'ont fait quelques uns de mes élèves, télécharger les podcasts de programmes des radios françaises comme France Inter, France Info, France Bleu et beaucoup d'autres. Comme ça vous pourrez les écouter sur votre lecteur MP3!



Autre choix est de s'habituer à voir des vidéos de journaux français sur internet comme sur les chaînes TF1, Canal +, la chaîne câblée TV5, etc.



Bon courage!

jeudi 24 février 2011

L'Officiel des Spectacles

Bonjour à tous!

Depuis toujours ce petit guide culturel à 0,35 euros à parution hebdomadaire a pour vocation de répertorier les événements culturels à Paris et en Île-de-France.




Moi, j'adore, c'est super pratique et il y a tous les choix.

Profitez!



dimanche 20 février 2011

Film - Des Hommes et des Dieux


Bonjour à tous! Cette semaine (vendredi 25/2) il y a les Césars! Pour cela je partage avec vous ce film!

Des hommes et des dieux est un film dramatique français réalisé par Xavier Beauvois, mettant en scène les trois dernières années de la vie de sept moines trappistes du monastère Notre-Dame de l'Atlas à Tibhirine, village de l'Ouest de l'Algérie, jusqu'à leur enlèvement, en 1996.
Ce film a été présenté  en mai 2010, dans le cadre de la compétition officielle du Festival de Cannes 2010 et a reçu le Grand prix du jury.
Des hommes et des dieux a reçu un bon accueil de la part du public, restant quatre semaines en tête du box office en France et dépasse les trois millions d'entrées au bout de onze semaines d'exploitation. Il a également suscité, dans les médias, un regain d'attention pour l'histoire des moines de Tibhirine, les circonstances de leur assassinat, la Guerre civile algérienne des années 90, et le dialogue interreligieux.

Son titre est parfois mal compris. Or il est emprunté aux Ecritures (Ancien et Nouveau Testaments) qui lui servent de clé. Les religions monothéistes, que sont le christianisme et l’islam placés ici face à face, ne reconnaissent qu’un Dieu. Cependant « Vous êtes des Dieux » proclame le psaume 82 « …et pourtant vous mourrez comme des hommes » (Ps 82, 6).

Réaction des acteurs : «C'est plus profond que le simple succès. Xavier Beauvois a fait de nous des témoins et des passeurs», dit l'un des acteurs. Toute l'équipe du film a le sentiment d'avoir vécu une aventure qui marque la vie, et qui se prolonge dans les rencontres avec le public, diffusant un esprit de fraternité et de paix dont le cinéma n'est pas coutumier. 

Prix des Césars auxquels le film a été indiqué : Meilleurs seconds rôles masculins, Meilleur décor, Meilleur Costume, Meilleure photo, Meilleur son, Meilleur montage, Meilleur Réalisateur, Meilleur Film et Meilleur Acteur.


Tout comme les moines cisterciens, le film n'aspire à aucun prosélytisme. Que l'on décèle ou non des dieux dans ce récit remarquablement écrit, on ne pourra s'empêcher d'être ému par les hommes dont les portraits s'ébauchent discrètement.